- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Coração cala os meus ais

Carlos Conde / Pedro Rodrigues *fado primavera*
Repertório de Nuno de Aguiar

Coração cala os meus ais
Bate mais pausadamente
Dá menos pressa ao meu fim;
Não me faças sofrer mais
Com pena de certa gente
Que não tem pena de mim

Não te prendas a ninguém
Sabes lá no teu sentir / Do que este mundo é capaz
Há gente a quem se faz bem
Que ainda se fica a rir / Do bem que a gente lhes faz

A morte é certa, é fatal
E a vida gozada à toa / Nem sempre se contradiz
Fazer bem, não fica mal
Mas olha que a gente boa / É sempre a mais infeliz

Após falar desta sorte
Um pobre pediu-me pão / Eu dei-lho, por caridade
Às vezes quero ser forte
Mas este meu coração / Nunca me faz a vontade