- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Mariquinhas velhinha

Letra e música Pedro Fernandes Martins *Fado Marcelino*
Repertório do autor

A Mariquinhas velhinha
Vai pedindo por sustento
Mendigando, coitadinha
Sem ter casa e testamento


Ninguém sabe onde ela mora / Diz-se que dorme no chão
Em cima de um papelão / Até ao romper da aurora
Anda pela rua fora / Repetindo a ladainha
Ajudem a pobrezinha / Que já tem pouca saúde
E há sempre quem ajude
A Mariquinhas velhinha

Tem sempre a mesma rotina / De não ter nada a perder
De só desejar morrer / Por viver tão triste sina
Como já não é menina / Poucos lhe dão alimento
E por dormir ao relento / Não lhe resta quase nada
Vai vivendo desgraçada
Vai pedindo por sustento

A quem passa estica a mão / Pede à porta do mercado
E quando este está fechado / Vai prá porta da estação
Com as esmolas compra pão / Mais uma sopa quentinha
E quando cai a noitinha / Deita-se no papelão
Vive nessa condição
Mendigando, coitadinha

Pouco resta do passado / Ficou, talvez, a saudade
Que não traz felicidade / Porque tudo está mudado
Pobre mulher, mas que fado / Anda à mercê do tormento
Ao sol, à chuva, ao vento / Vive com essa má sorte
À espera da sua morte
Sem ter casa e testamento