- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado rock

Artur Ribeiro / António Rebocho
Repertório de Artur Ribeiro

É fado?.. não!
É movie?... não!...
É rock?... também não!
Então que é?...

Não é rock nem é fado 
Não é mambo nem chachado
Nem tem género marcado p’ra quem toque
É o fado, novo fado 

Doutro modo cozinhado
Sincopado e misturado com o rock

Foi assim que o velho fado 

Foi torcido e massacrado 
Com baquetes, torturado e num remoque
Acabou por ser cantado 
À moda do outro lado
E nasceu assassinado, o fado rock

Fado rock, é fado rock

Nem viola nem guitarra

Nem jaqueta nem samarra
Nem da banza se desgarra como outrora
Todo feito de algazarra
Anda de noite na farra
Fora de horas e da barra já não chora

Nem trinado nem corrido

Nem marcado nem gemido
Nem sequer 'tá convencido de que é fado
Não é choro comovido

Não rima nem faz sentido
E desagrada ao ouvido mais tapado

Fado rock, é fado rock

Nem tipóia nem Severa
Nem fidalgos doutra era
Nem nenhuma cantadeira que o cante
Eu cá canto mas quem dera 

Que apareça alguma fera
Que coma a orquestra inteira neste instante

Quando canto o fado rock

Fico em transe, tenho um choque
Fico a tremer qual berloque pendurado
Que ninguém cante nem toque 

Música sem rei nem roque
Que é a mistura do rock com o fado

E assim foi o fado rock assassinado