- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixa-te disso

Letra e música de Frederico de Brito
Repertório de Fernanda Maria

Há quem não goste do fado
Por ter esquecido o passado
E abandonado as vielas
Por não ter adormecido
Tal como ébrio caído
Na rua, à luz das estrelas

Por deixar de ser brigão
Com mais dias de prisão
Que minutos tem o dia
Por ter sacudido a lama
Das velhas tascas d'Alfama
Dos portais da Mouraria

Falas-me em fado castiço, deixa-te disso
Aqui só há uma casta, è quanto basta
Melodia que nos prende
E que a gente compreende
Por mais que a tenham mudado
Com mais brilho ou menos brilho
Com estribilho ou sem estribilho
È sempre fado


Fado com alma ou sem alma
Cheio de calma ou sem calma
Num suspiro ou num rugido
È sempre canção magoada
Tanto numa gargalhada
Como num triste gemido

Só não perdeu esse jeito
De andar de guitarra ao peito
A gemer a cada instante
Vive da fé e da esperança
Em alma duma criança

Dentro dum peito gigante