- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cozido à portuguesa

Ary dos Santos / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Maria Armanda

Nabo, batata e cabeça
Do porco que somos nós
Quando o cozido começa
Temos fervura na voz;
Lombarda do sentimento
Hortelã do teu olhar
Chouriço, sangue cinzento
Palácio do paladar

Esta receita bem mexidinha
Põe a cenoura namorando com o nabo
E quando há um quartinho de galinha
Inté do porco a orelha torce o rabo


Ai cozidinho, cozidinho à portuguesa
Na panela da ternura q
ue é um pouco de nós todos
Ai cozidinho, c
ozidinho à portuguesa
Farinheira da tristeza d
este cozido com todos
Falta hortaliça, f
alta a carne e o toicinho
E o cozido à portuguesa fica triste, fica mau
Pois a colher com que eu mexo o cozidinho
Antes era de madeira, mas agora é só de pau


Eu sei lá do meu cozido
Sei lá o prato que dou
Talvez um prato comido
Por tantas bocas que eu sou;
Bocas da força da vida
Cozido como se fosse
Maré farta de comida
E depois dele arroz doce