- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fadinho da PT

Mário Raínho / Fontes Rocha
Repertório de Maria Armanda

O telefone, esse invento
Dá-nos cabo do caneco
E também do orçamento
Se falamos pró boneco

É o zero seis e tal
Com que ficamos lixados
Pois pagamos afinal
Nos valores acrescentados

Ai trim-tim-tim-tim-tim / A toda a hora, que horror
É melhor pôr a chamada / P’ra atender no gravador
Ai trim-tim-tim-tim-tim / Às vezes fora de tom
Quem é que nos paga as contas / Da Portugal Telecom?

Já não há troncas nem broncas
Mas não andamos serenos
Porque são maiores as contas
E os impulsos mais pequenos

Linhas trocadas em casa
Se apanho, disparo à bruta
Frases p’ra deixar em brasa
Os ouvidos que quem escuta