- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dessa terra onde eu te vi

João de Vasconcellos e Sá / Francisco José Marques *fado zé negro*
Repertório de António Pinto Basto

Dessa terra onde eu te vi
Ninguém calcula a saudade
Que eu trouxe quando parti

Quando não te conhecia
Sem saudades me apartava / De qualquer terra onde eu ia
Nem saudades eu deixava
Nas terras de onde chegava / Nem saudades eu trazia
Era assim, pois na verdade
Mal conhecia a saudade / Quando não te conhecia

Mas quando de lá parti
Nesses instantes fatais / Deus sabe como sofri
Sentindo cada vez mais
Estas saudades mortais / Que me vieram de ti
Toda a gente concerteza
Notou a minha tristeza / No momento em que parti

Em amoroso cuidado
Ficava a minha lembrança / Onde eu já tinha avistado
A boa luz de uma esperança
Num doce olhar de criança / Que há-de viver a meu lado
Desde então, a minha vida
Tem decorrido envolvida / Neste amoroso cuidado