- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixem Lisboa sonhar

Diamantina / Nobre Costa e Pedro Castro
Repertório de Diamantina

Lisboa triste ficou / Soluçando de saudade
Por julgar que se deitou / E acordou noutra cidade

Deixem Lisboa gritar
A saudade que a magoa
Deixem Lisboa chorar
Com um poema de Pessoa;
Deixem soltar os pregões
Que hoje nela estão calados
Deixem Lisboa sonhar
Lembrando tempos passados

Nos azulejos pintados / Recordou velhos artistas
E a pincel, desenhados / Os ardinas e as coristas

Nas varandas rendilhadas / Viu mil vasos enfeitando
E as colchas penduradas / Pela fé que vai passando

Mas ao lembrar o passado / Sossegou-se o seu peito
Pois viu-se ainda com fado / No romance mais perfeito