- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Porto Cal

Jorge Fernando / Popular
Repertório de Nuno da Camara Pereira

Este meu País, de sol atento
Beijado por flores e pelo mar
É leito que abriga qualquer vento
Com seus vários modos de cantar

Olham-se as ideias de perfil / Somam-se as medalhas e porém
Se há heróis, matando dez ou mil / Quem sou eu, que não matei ninguém

Deverei andar correndo / Porque os outros também correm
Deverei andar escondendo / As verdades, que me assomem

Porque terei de sorrir / Se há desgosto no meu riso
Porque terei de mentir / Sem dizer o que é preciso

O meu país já reclama / O grito da terra mãe
Camões, Dinis e da Gama / Na ordem, amor e grei

Erguem a voz indignada / Pois tanto, tanto lhes dói
Ver Portugal quase nada / Do muito que em tempos foi

Por isso, terra de bravos / Senhores de muitas marés
Sem ódio, medo, nem cravos / Aqui me tens a teus pés