- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

És a dor que não previa

Ana Lúcia / José Marques *fado triplicado*
Repertório de Fábia Rebordão

Sou o dia a desvendar
A espreitar sem hesitar
O teu corpo é a certeza
Guardo a hora desse dia
Em que fria a dor doía
Por me sentir a ti presa

Sou a folha que caiu
De quem feriu por que sentiu / Querer de mim se desprender
Não me posso resignar
Vou lutar e então esperar / Outro amor acontecer

Fiz-me vida em teu regaço
No teu braço fui cansaço / Quando em ti me recolhia
Se deitei tudo a perder
Por querer ou sem querer / És a dor que não previa

Fui o fruto do meu mal
Fui cristal num pedestal / Fiz-me noite sem sentir
Sou a réstia sem alento
Forte vento do tormento / Pelo qual te vi partir