- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A ilha

José Fanha / Luís Pedro Fonseca
Repertório de Cristina Nóbrega

Estou perdida meu amor, na noite escura
Ofendida pelas luzes da cidade
Incapaz de cavalgar essa lonjura
Que separa o meu olhar, da tempestade

Estou á tona do silêncio numa ilha
Rodeada a toda a volta de universo
O rebelde coração é uma rodilha
Preso á vida, por um beijo ou por um verso

Estou de pé, dentro de mim a tropeçar
Neste rosto com que visto a minha cara
Sem um sopro que pudesse desviar
Tantas balas que o passado me despara

Estou aqui á beira mundo, a transpirar
As ideias que me dizem naufragadas
Como um barco que só sabe caminhar
Entre rotas nunca dantes navegadas