- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado com dono

Maria do Rosário Pedreira / Armando Machado *fado cigano*
A partir do mito de “Orfeu e Eurídice”
Repertório de Aldina Duarte

Diz quem já me ouviu cantar
Que, quando soa o meu canto
A terra inteira estremece
E os rios perdem o mar
E as pedras rolam de espanto
E até o mal se estremece

Diz quem meu fado conhece / Que ele enfeitiça, e encanta
E comove, e tira o sono
É a paixão que entretece / Os fios de quem o canta
Porque o meu fado tem dono

Eu canto para procurar / Aquele que já foi meu
E a morte me arrebatou
Não desisto de cantar / Chamando o nome de Orfeu
Em todo o lado aonde vou

Mesmo que o saiba fechado / No inferno mais profundo
E não me aguarde outra sorte
Levo comigo o meu fado / Vou até ao fim do mundo
Para morrer da sua morte