- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Encontrei a Mariquinhas

Carlos Conde / Popular *fado corrido*
Repertório de Júlio Peres

Mais fresca, alegre e bizarra
Encontrei a Mariquinhas
Já resgatou a guitarra
Mas não quer as tabuínhas

Vi-a ali no Cais Sodré / Tinha vindo de Cacilhas
Ela, a Rosa, o Maravilhas / E o Chico do Cachiné;
Cheia do mesmo gajé / E alegre por vir da farra
Trajava saia com barra / Blusa com muitos folhos
Surgiu assim aos meus olhos
Mais fresca, alegre e bizarra

Falei-lhe, contou-me então / Que tinha andado á pancada
E que fôra condenada / A seis meses de prisão;
Mal saíu, foi ao Tacão / Alugou quarto na Aninhas
E p'ra moer as vizinhas / Foi com o Chico ao Ginjal
Onde á volta, por sinal
Encontrei a Mariquinhas

A Rosa pôs-se ao dispôr / P'ra lhe emprestar o dinheiro
E o Chico foi o primeiro / A ficar por fiador;
O Maravilhas quis pôr / Na questão, a sua garra
Com mais obra e menos parra / Pediu ao Chico a cautela
E a Mariquinhas com ela
Já resgatou a guitarra

Pensa-se então, para já / Reunir a fadistagem
Numa festa de homenagem / A que ninguém faltará;
O Marceneiro vai lá / Já o disse sem picuínhas
As rendas, as chinelinhas / As fitas, o cortinado
Tudo ela tem de bom grado
Mas não quer as tabuínhas