- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Antes e depois

Fernando Farinha / Popular *fado menor*
Dueto de Fernando Farinha e Alfredo Marceneiro

Marceneiro:
Minha guitarra é vaidosa / Mas vaidosa com encanto
Sente-se toda orgulhosa / Todas as vezes que canto

Farinha
Alfredo quando tu cantas / Cantas com tanta saudade
Que eu sinto que tu encantas / Toda a minha mocidade

Marceneiro
Dizem que o fado desgraça / O fado de muita gente
Mentira, o fado não passa / Dum fado que qualquer sente

Farinha
O fado é a voz do povo / Que com o povo nasceu
Tu és antigo, eu sou novo / Será meu o que foi teu

Marceneiro
Entre fadistas de lei / Com meu concurso não falto
Tenho orgulho em ser da grei / Dos Faias do Bairro Alto

Farinha
Apesar de muito novo / Quando canto uma cantiga
Faço recordar ao povo / A fadistagem antiga

Marceneiro
A minha pobre garganta / Já não tem a voz de outrora
Mas quando canta, ainda canta / Ao pé das vozes de agora

Farinha
Quem sabe meu pioneiro
Se nesta história não fica
Marceneiro
O Alfredo Marceneiro
Farinha
Junto ao Miúdo da Bica