- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fins do século passado

Carlos Conde / Manuel Maria Rodrigues
Repertório de João Ferreira Rosa
Letra extraída do livro FADO, Vida e obra do poeta Carlos Conde

Fins do século passado
Um lindo break tirado
Pela mais bela parelha
Alta noite a hora morta
Gizalhava junto à porta
Do Marquês de Linda-a-Velha

Lá dentro há rambóia e farra
O Marquês toca guitarra / P'rá Julia da Amendoeira
E nos salões do Marquês
Há palmas de quando em vez / Aos motes da cantadeira


Do break sai uma dama
Senhora nobre e de fama / Nos anais da fidalguia
Que mostrou certo azedume
E uma ponta de ciúme / P'la mulher da Mouraria


Ela entrou, calou-se tudo
E naquele ambiente mudo / Uma voz sobressaiu
A Júlia, altiva e bizarra
Cantou mesmo sem guitarra / Um fado triste e saiu


A assistência entreolhou-se
O portão nobre fechou-se / E guizalhou a parelha
O Marquês vive isolado
E nunca mais se ouviu fado / Nos salões de Linda-a-Velha