- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

De mãos vazias

José Guimarães / Rezende Dias
Repertório de Florência

De mãos vazias sem nada de nada
Um pouco de céu pretendo alcançar
São os meus dias, janela fechada
Onde não há madrugada
Onde a luz não quer entrar
Ai os meus dias que são tudo e não são nada
São liberdade amarrada
São silêncios a falar

Olhos fechados... p'rá maldade não ver
Braços cruzados... deixar a vida correr
Lábios cerrados... e não dizer a verdade
Mas ter voz e estar calado é perder a liberdade

Meu grito aberto, meu grito calado
Eu atiro ao vento sem ninguém ouvir
Longe e tão perto, princípio acabado
Onde o meu amor cansado
Anda a sonhar sem dormir
Tudo é deserto no meu sonho povoado
Onde um povo amordaçado
Não sabe cantar nem rir