- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Micas das violetas

Domingos Gonçalves da Costa / Maximianio de Sousa
Repertório de Max

A Micas era a garota morena
De tranças negras, pequena
Qual mimosa cotovia
Trajava de chinela e meias pretas
Vendendo as frescas violetas
Do Rossio à Mouraria

Enchia a rua com seus pregões
Apaixonou corações
E às vezes, dizia-me ela
Que era a maior ventura sua
Trocar a vida da rua
Por uma casa singela

Como essa, há tantas que andam na vida a sonhar
Com a ventura dum lar, do amor e singeleza
E há quem despreze esse amor puro e perfeito
Que existe dentro do peito duma mulher portuguesa

A Micas das tranças longas e pretas
Que apregoava as violetas
Com gritante mocidade
Casou, nunca mais ninguém a viu
Deixando um espaço vazio
Nas ruas desta cidade

Há dias passou com desembaraço
E em vez de trazer no braço
O açafate das flores
Trazia um filho pequeno ainda
P’ra ela a flor mais linda
Do jardim dos seus amores