- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O fogo do teu olhar

Victor Moreira Francisco / Joaquim Campos *fado rosita*
Repertório de Lúcio Bamond


Teu olhar é uma lança
A ferir meu pensamento
Tempestade sem bonança
Calvário de sentimento

Teu olhar é uma chama / A queimar meu coração
É a lava que derrama / Da cratera de um vulcão

Teu olhar é uma estrela / A brilhar em noite escura
Iluminando a capela / Onde rezo esta amargura

O fogo do teu olhar / Tem não sei quê de ciúme
E o jeito do teu andar / Vai ateando esse lume

O calor desses teus olhos / É um martírio sem fim
Olhas p’ra tudo e p’ra todos / E nunca olhas p’ra mim