- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Há sempre um tempo na vida 1

Existe, já editada neste blogue, outra versão deste tema
- - - 
Vasco de Lima Couto / Fontes Rocha
Repertório de Vasco Rafael


Cansado de partir e ficar só
Ao tempo da viagem do meu dia
Olhei aquela esquina onde os teus olhos
Mediram a distãncia da alegria

Andava o luar a resguardar as horas
No regaço em que Deus motiva as plantas
E foi assim, que a nossa vida inteira
Criou o mar do amor onde tu cantas


Há sempre um tempo na vida 
Onde a vontade perdida
Volta a ser vontade nova
Porque a dor parou a sina
E fez de toda essa esquina
Um horizonte, uma trova

Cada palavra chegada 
Era em nós a madrugada 
Toda no ventre vestida
Pois p’ra ser amor e fado
Corpo a corpo lado a lado
Há sempre um tempo na vida

Agora, cada noite é uma procura
Do que fomos perdendo pela estrada
E cada gesto preso pela ausência
É um sonho a abrir a madrugada

Se me dizes amor, o amor começa
Nesse instante de luz que me vens dar
Encontrei-me sem nome nessa rua
E hoje os teus olhos são o meu lugar