- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sopa à portuguesa

José Luís Gordo / Nóbrega e Sousa
Repertório de Ada de Castro


Com legumes de saudade
Faço sopa à portuguesa
Que se come na cidade
Desta terra portuguesa

Com legumes de cansaço
Cheirando a terra sadia
Sempre com sopa e bagaço
Começa o povo o seu dia


Uma sopa à portuguesa
Aquece a tristeza dum pobre sem ver
Fumegando vem p’ra mesa
E faz a riqueza de quem a comer
Uma sopa à portuguesa
Aquece a tristeza de uns olhos que a espreitam
Tem o cheiro deste povo
Tão velho e tão novo, num fio de azeite


Já tiveste tantos nomes
Minha sopa à portuguesa
Já foste a sopa dos pobres
Numa fila de tristeza

Aqueceste tantos lares
Em noites de tanta fome
É por isso que te canto
O teu cheiro e o teu nome