- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado de um dia só

João Monge / João Gil
Repertório de Ana Sofia Varela

Ainda faço tudo com uma pitada de sal
Ainda não perdi a minha mão
Ás vezes ponho a mesa como era habitual
E janto com a minha solidão

Ainda passo meia hora ao espelho, de manhã
Ainda pinto os lábios de carmim
Ás vezes traço ao peito o meu xaile de avelã
Era assim que tu gostavas de mim

Eu sei que estás... aonde eu estou
Eu sei estás... sempre onde eu vou
Eu sei que estás.. aonde eu vou
Eu sei estás... sempre onde eu vou

Ás vezes ainda leio as notícias em voz alta
Para sentir a tua companhia
Mas quando o amor acaba eu só sinto a tua falta
A esperança que tinha a tua alegria

Ás vezes ainda desço a avenida atá á foz
Ao canto dos pardais ao escurecer
Casais de namorados só me recordam de nós
Só tu me dás vontade de viver