- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do campino

Fernando Santos / Raúl Ferrão
Repertório de Carlos Zel

Mal canta o galo, ainda o sol não é nado
Monto a cavalo e vou p’ra junto do gado
E os animais, essas tais feras bravias
Com os olhos tão leais parecem dar-me os bons dias

Pampilho ao alto
Corpo firme no selim
Nunca tive um sobressalto se um toiro investe p’ra mim
Já disse um homem
Que foi toureiro afamado
Mais marradas dá fome do que um toiro tresmalhado

Quando anoitece e o gado dorme p’lo chão
Rezo uma prece p’la alma dos que lá estão
P’ra que as searas cresçam livres da tormenta
E o mal não mate as piaras, nem os novilhos de tenta

Mas quando as cheias devastam pastos e trigo
Há miséria nas aldeias e eu vou pensando comigo
Já disse um homem que foi toureiro afamado
Mais marradas dá fome do que um toiro tresmalhado