- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das queixas

Frederico de Brito / Carlos Rocha 
Repertório de Carlos Ramos


P’ra que te queixas de mim
Se sou assim como tu és
Barco perdido no mar
Que anda a bailar com as marés

Tu já sabias que eu tinha o queixume
Do mesmo ciúme que sempre embalei
Tu já sabias que amava deveras
Também quem tu eras, confesso, não sei

Não sei quem és, nem quero saber
Errei, talvez, mas que hei-de fazer?
A tal paixão que jamais findará
Pura ilusão... ninguém sabe onde está
Dos dois, diz lá o que mais sofreu
Diz lá, que o resto sei eu


P’ra que me queixo eu também
Do teu desdém que me queimou
Se é eu queixar-me afinal
Dum temporal que já passou

Tu não calculas que queixas são essas
E a quantas promessas calamos a voz
Tu não calculas as bocas que riam
E quantas podiam queixar-se de nós