- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da Meia Laranja

José Luís Gordo / Joaquim Campos *fado vitória* 
Repertório de José Manuel Osório 
A terceira estrofe não faz parte da gravação do José Manuel Osório

Ali à Meia Laranja 
Meio inferno de Lisboa 
Onde a morte anda a viver
Há milhares de olhos baços 
A vida tem quatro braços 
Para a morte se esconder 

Por entre gente perdida 
Jovens entregam a vida / Á loucura que se esbanja 
E nas veias da tristeza 
Tantas facas de pobreza / Ali à Meia Laranja 
- - - 
Enquanto alguns se matavam
Se perdiam e se afogavam / Num caldo que não é canja
Um casal de ventania 
Descia a Maria Pia / Até à Meia Laranja
- - - 
Há tanto cavalo à solta 
Com chicotes de revolta / Num galopar que magoa 
Há punhais de infelicidade 
Ali se mata a idade / No coração de Lisboa