- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Barrete verde

Frederico de Brito / Ferrer Trindade
Versão do repertório de Lenita Gentil

-
Criação de Tristão da Silva
Gravado em 1953, pela etiqueta “Estoril”
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-
Barrete verde, jaqueta
E a cinta preta toda franjada
Atrás dos toiros mais lestos

Onde os cabrestos vão de abalada
Segue o caminho da praça

E o gado passa como um foguete
Espera de toiros é esta

A melhor festa que há em Alcochete

Há sempre um toiro na calha

Que se tresmalha, que faz das suas
Ninguém supõe a alegria

E a valentia que andam p’las ruas
Depois é ver as faenas

Que são apenas pronúncios de arte
Pegas com palmas e brados

Porque há forcados por toda a parte

Barretes verdes, campinas

Brancas salinas, gente modesta
Que atira ao ar do barrete

Quando Alcochete se encontra em festa
Que andar no mar é seu fado

E o Tejo irado não lhe faz mágoa
Que vive alegre e contente

Porque é só gente da Borda d’Água


Este fado-canção caracteriza-se por não possuir refrão cantado. 
No entanto, bastaria as estrofes serem formadas por versos de diferentes 
metrificações para o arredar da classificação de tradicional. 

Além disso, o refrão existe, embora apenas como separador instrumental.
Não deixa de ser um bem conseguido exemplo de fado alegre, de andamento musical vivo
com imagens cheias de colorido, a traduzir com muito realismo o ambiente das
Festas do Barrete Verde e das Salinas (estas igualmente referidas na letra)
apanágio da vila ribatejana de Alcochete.