- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do trigo

Ary dos Santos / Victorino d’Almeida
Repertório de Carlos do Carmo

É da terra sangrenta, terra braço
Terra encharcada em raiva e em suor
Que o homem pouco a pouco, passo a passo
Tira a matéria viva do amor

Devagar, a seara ondula as ancas
Como fêmea abrasada de desejo
E aberta ao vento e ao sol, concebe as plantas
Mulher e mãe na fúria dum só beijo

Prendo os meus lábios á sede, mordido por um fio de água
O Alentejo não cede, mesmo com olhos de mágoa;
Olhos celeiros do trigo, semente no coração
Meu trigal de pão amigo, adubado no meu chão;
Além-Tejo, além-coragem, com as peredes de cal
És a alma da paisagem, brancura de Portugal

Depois de prenha, a terra fica tão linda
Crescem cabelos loiros como o fogo
Laços vemelhos na planície infinda
Papoilas vivas que se acendem logo

Pois quando a terra, flor de quem lhe quer
Não há mais dôr no parto dos trigais
Será terra feliz, terra mulher
Com filhos de quem todos somos pais