- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da recaída

Manuela de Freitas / Alfredo Correeiro *marcha do correeiro*
Repertório de Camané

Lembrei-me de ti sem querer
Entrei num bar e bebi
Paguei a conta de dois;
Não consigo perceber
Porque me lembrei de ti
Todo este tempo depois

Fui à rua onde vivias
Vi a tua luz acesa / Apeteceu-me beber
Fui ao bar onde tu ias
E sentado à mesma mesa / Lembrei-me de ti sem querer

Perguntei sem reparar
Com quem vivias agora / Se alguém sabia de ti
Mas antes de alguém falar
Levantei-me, fui-me embora / Entrei num bar e bebí

Que feitiço ou que loucura
Voltar a sentir ciúme / Todo este tempo depois
Andar à tua procura
E nos sítios do costume / Pagar a conta de dois

Rua em rua, bar em bar
Já não sei se te esqueci / Se não te quero esquecer
O que procuro encontrar
Para me perder de ti / Não consigo perceber

Lá em cima continua
A tua janela acesa / Como quando te perdi
E no bar da tua rua
Há dois copos sobre a mesa / Porque me lembrei de ti

Em tantas noites iguais
Perdoei o que tardaste / Quando vivemos os dois
Não te perdoo nunca mais
A noite que me estragaste / Todo este tempo depois