- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Noite apressada

David Mourão Ferreira / Alfredo Duarte *lembro-me de ti*
Repertório de Camané

Era uma noite apressada depois de um dia tão lento
Era uma rosa encarnada aberta nesse momento
Era uma boca fechada sob a mordaça de um lenço
Era afinal quase nada e tudo parecia imenso

Imensa acasa perdida no meio do vendaval
Imensa a linha da vida no seu desenho mortal
Imensa na despedida a certeza do final
Imensa a linha da vida no seu desenho mortal

Era uma haste inclinada sob o capricho do vento
Era minh'alma, dobrada, dentro do teu pensamento
Era uma igreja assaltada mas que cheirava a incenso
Era afinal quase nada, e tudo parecia imenso

Imensa, a luz proibida no centro da catedral
Imensa, a voz diluída além do bem e do mal
Imensa por toda a vida, na descrença total
Imensa a linha da vida na certeza do final