- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A minha rua *Camané*

Manuela de Freitas / Armandinho *fado alexandrino antigo*
Repertório de Camané 
Este poema não sendo quadras alexandrinas, é cantado com arranjos

Mudou muito a minha rua 
Quando o outono chegou
Deixou de se ver a lua
Todo o transito parou 

Muitas portas estão fechadas / Já ninguém entra por elas
Não há roupas penduradas / Nem há cravos nas janelas

Não há marujos na esquina / De manhã não há mercado
Nunca mais vi a varina / A namorar com o soldado

O padeiro foi-se embora / Foi-se embora o professor
Na rua só passa agora / O abade e o doutor

O homem do realejo / Nunca mais por lá passou
O Tejo já não o vejo / Um grande prédio o tapou

O relógio da estação / Marca as horas em atraso
E o menino do pião / Anda a brincar ao acaso

A livraria fechou / A tasca tem outro dono
A minha rua mudou, quando chegou o outono

Há quem diga "ainda bem" / Está muito mais sossegada
Não se vê quase ninguém / E não se ouve quase nada

Eu vou-lhes dando razão / Que lhes faça bom proveito
E só espero p'lo verão / P'ra pôr a rua a meu jeito