- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bom cristão

Francisco Santos / Júlio Proença *fado esmeraldinha*
Repertório de Júlio Peres

Todo o que é bom cristão, tem por dever
Guiar os tristes passos dos ceguinhos
Dar pão a quem tem fome e defender
Os tímidos, os fracos e os velhinhos

Dar abrigo, conforto, lume e cama
Aos que dormem de noite nos portais
Levantar os que tombam sobre a lama
Neste mundo de abismos infernais

Não maltratar os míseros indigentes
Bem como os animais trabalhadores
Porque além de prestáveis, são viventes
Que sentem como nós, as suas dores

Não transpor o caminho da desonra
Onde a morte se acoita quando calha
Trabalhar, ser honrado, porque a honra
Dá vigor e nobreza a quem trabalha

Nunca tocar a mãe pela mulher
Que nos diz ter amor como ninguém
Pois essa, só é nossa enquanto quer
E a mãe, mesmo ao morrer, é sempre mãe