- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ai do vento

Letra e musica de Hélder Moutinho
Repertório de Mafalda Arnauth

São as saudades que nos trazem as tristezas
É o passado que nos dá a nostalgia
E é o mar que tem sempre as marés presas
Naquela praia onde inventamos a alegria


São os meus olhos que não guardam o cansaço
De querer sempre, sempre, amar até ao fim
E toda a vida é um poema que não faço
E me persegue na paixão que trago em mim


Ai do vento, ai do vento
Que transparece o lamento
Da minha voz sem te ver
Ai do mar, seja qual for
Que me recorda o amor
E não mo deixa esquecer


É sempre breve, ou quase sempre, a despedida
É sempre calma, ou quase sempre, a solidão
E é esta a calma que destrói a nossa vida
Nada é breve nas coisas do coração

E ai do vento, e ai do mar, e tudo mais
Que assim me arrasta, que me faz viver na margem
De um rio grande onde navegam os meus ais
E onde a vida não é mais que uma viagem