- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Agora o tempo

Letra e música de Diogo Clemente
Repertório de Sara Correia

Agora já não sei o que escrever
Perdi tantas palavras no caminho
Lá fora há mais um dia p’ra nascer
E eu só quero anoitecer sózinho

Agora o fumo antigo do cigarro
É pouco p’ra calar a solidão
A vida é um corpo triste a que me agarro
E quer viver aqui na minha mão

Agora o tempo pesa-me a alma
E aos poucos deixa marcas no meu peito
Escreve o teu nome a sangue e suor;
Perdi o tempo, perdi a calma
Se o sol se pôs, a noite que me guarde
É dela que hás-de vir, oh meu amor
Eu espero-te na noite, meu amor 

Agora nada tem a mesma cor
Passou o gosto amargo da saudade
O que era verde e luz sabe-me a dor
Levou o farol, escondeu-me a liberdade

Agora arrumo as coisas pela casa
E a alma é dentro dela, um corpo nu
Falta-me o par que é par da minha asa
Falta-me o meu amor, faltas-me tu