- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arrojos

Cesário Verde / Miguel Ramos *fado alberto*
Repertório de Joaquim Cardoso


Se a minha amada um longo olhar me desse
Dos seus olhor que ferem como espadas
Eu domaria o mar que se enfurece
E escalaria as nuvens rendilhadas

Se ela deixasse estático e suspenso
Tomar-lhe as mãos mimosas e aquecê-las
Eu com um sopro enorme, um sopro imenso
Apagaria o lume das estrelas

Se ela ouvisse meus cantos moribundos
E os lamentos das guitarras tão estranhas
Eu ergueria os vales mais profundos
E abateria as sólidas montanhas

Se ela quisesse amar no azul do espaço
Casando as suas penas com as minhas
Eu desfaria o sol, como desfaço
As bolas de sabão das criancinhas