- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nasci na maré

Letra e música de Daniel Gouveia
Repertório de Daniel Gouveia 

Nasci na mare à beira do cais
Fui peixe e gaivota, procurando rota
Que me desse mais
Subi com a enchente, lancei o meu grito
De sonho e de esperança, ainda criança
Buscando infinito

Cresci para a vida junto ao Rio Judeu
E o desassossego da busca de emprego
Também me doeu
Nasci co’a vazante da desilusão
A vida, afinal, é bem e é mal
Está na palma da mão

Estudei coisas raras, p'ra ver mais além
Mas cavei no lodo à cata de engodo
Se quis ser alguém
Fiz barcos na Amora, moí no Seixal
E do Rosairinho olhei com carinho
Para a capital

Com sal de Alcochete, temperei minha sorte
Toquei na Arrentela, na Moita fiz vela
Sem perder o Norte
Tal é esta sina de ser português
E ter por seu fado, ver se o ordenado
Chega ao fim do mês

Grumete no Alfeite, subi um degrau
No Ginjal amei e assim carreguei
Minha Cruz de Pau
Parei no Samouco, recusei venenos
Fugi de empecilhos, safei-me a Sarilhos
Grandes e Pequenos

No Pragal rezei e ao Cristo subi
Lisboa serena, parece pequena
Ao vê-la daqui
Cantando este fado, sinto orgulho e fé
Esqueço a minha mágoa, sou da borda d'água
Nasci na maré