- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ninguém

Letra e música de Diogo Clemente
Reportório de Carolina 

Falamos, demos abraços, como era normal
Fechei-me ao som dos teus passos no frio do jornal

Parecia ser o que foi, bem pra lá do que crês
Um gesto a mais que nos dói, e o vazio que não vês

Não vês que me perco primeiro
E perco as razões a seguir
E que trago este amor de permeio
Por chegar e partir

E eu sorrio ao ver-te outra vez num dia descuidado
O lume mal apagado
E dizes tu que eu sou mais forte e sei olhar por nós   
Foi isto que há nos olhos meus
Que o que fica de um adeus
Às vezes faz-se voz, só pra não estarmos sós

Pra quê palavras e verbos de querer ser feliz
Se somos escravos e servos do que a alma nos diz

Sempre se cumprem as preces de quem o amor tem
Que ao me acabar, recomeces às mãos de ninguém

Ninguém que te prenda num beijo
Ninguém que te oculte de nós
O ninguém que te seja em desejo
A nascente a e foz