- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estranhamente

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório do autor

Fecha os olhos meigamente
Deita o rosto no meu ombro
Como há tempos esqueces de o fazer
Põe as mãos por sobre as minhas
Os teus dedos entre os meus
Que o silêncio tem muito a dizer

Foi há tempo, meu amor
Vinhas de verde
Com um sorriso em que perdeste    
O meu ser apaixonado
Foi há tempo, meu amor
Quanto se perde
Nos momentos que esqueceste
E que o tempo pôs de lado

Os teus olhos, pouco a pouco
A tristeza vai tornado
Estranhamente amargurados
Mais um dia, logo outro
Nada muda, mas no fundo
Já não somos namorados