- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quimera

Alfredo Guedes / Franklim Godinho *fado franklim*
Repertório de Alfredo Guedes 

Se uma criança é a esperança
Do futuro dum país
Hão-de dizer-me a razão
Porque é que eu fui a criança
Tronco duma outra raíz
Duma fraca geração

Vivi gerado p’lo medo
Andei ruelas na sombra / Frios nunca me faltaram
Palavras eram segredos
Ditas sempre na penumbra / Por uns pais que me criaram

Tristezas foram meus sonhos
Pesadelos, o penar / E a vida assim foi passando
Nos momentos mais medonhos
Que o homem quer evitar / Mas contra a força, lutando

Hoje não sei, afinal
Se esses tempos de bonança / Que sonhei, para quem vem
Serão neste Portugal
Pouco mais que uma esperança / Que sempre sonhei também