- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fui ao baile

Amadeu do Vale / Fernando Carvalho 
Versão do repertório de Fernanda Batista
-
Criação de Maria José da Guia na revista *Saias curtas*
Teatro Maria Vitória 1953
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção
-
Vesti a blusa nova estreei o meu xaile 
Para contigo ir ao baile e dançar juntinha a ti 
E até, p'ra tu me achares mais airosa e vistosa 
Pus no cabelo uma rosa e chinelinha no pé 

Mas mal entraste, bem vi que falaste c'oa Rosa Maria 
Aquela que namoraste na Rua da Mouraria 
P'ra não te dar o prazer de mostrar todo o meu azedume 
Tirei o xaile, calei-me, e afastei-me sem um queixume 

Fingi não ver e fui dançar 
Com um rapaz que me andava a fazer um namoro a valer 
P'ra comigo casar 
Julgavas ter com quem brincar 
Mas vê bem como tu te iludiste, quando no baile me viste 
Nos braços dum outro a bailar 

Saí depois do baile era já madrugada 
Mas desta abraçada já a outro e não a ti 
E sei que tu e a Rosa Maria se riram 
Quando na rua assistiram ao abraço que eu lhe dei 

Como é costume, bem vi no azedume do vosso embaraço 
Que os torturava o ciúme, por ir com outro p'lo braço 
E vi depois zangarem-se os dois, porque tu lhe disseste 
Que estavas desiludido e arrependido do que fizeste

A mestria dos letristas do Fado-Canção, associada aos recursos de extraordinários compositores, produziram peças de antologia, como esta. É patente um trabalho conjunto, oposto ao habitual no Fado Tradicional, em que as músicas são independentes da letras, sendo os seus autores distantes no espaço e no tempo, podendo até nem se conhecer nem terem sido contemporâneos. Originalidades métricas e rítmicas como este «Fui ao Baile», impondo extrema criatividade ao compositor, representam também igual exigência de mestria ao intérprete, pois a articulação da letra de forma perceptível, num andamento vivo como o deste fado, não está ao alcance de qualquer um. Maria José da Guia foi uma das nossas maiores fadistas, injustamente esquecida fora dos círculos dos apreciadores.