- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fiz leilão de mim

Artur Ribeiro / Maximiano de Sousa 
Repertório de Max 

Talvez de razão perdida 
Quis fazer leilão da vida 
Disse ao leiloeiro; venda ao desbarato 
Venda o lote inteiro que de mim, estou farto 

Meus versos, que não são versos 
Atirei ao chão, dispersos 
P'ra ver se algum dia, um mundo pateta 
Por analogia diz que sou poeta 

Fiz leilão de mim 
E fui por fim apregoado 
E de mau que sou
Ninguém gritou "arrematado” 
Fiz leilão de mim
Tinhas razão minha almofada 
Com lances a esmo
Provei a mim mesmo 
Que não valho mais que nada 

Também quis vender meu fado 
Meu modo de ser errado 
Leiloei ternura, chamaram-me louco 
Mostrei amargura, o mundo fez pouco 

Depois leiloei carinho 
E em praça fiquei sózinho 
Diz-me a pouca sorte, que para castigo 
Até vir a morte, vou ficar comigo