- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

"mp3 disponíveis"

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.295 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.135.500 VISITAS /*/ 31.05 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

" fadopoesia@gmail.com "

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Cais do Sodré

Paco Bandeira / Eduardo Olímpio
Repertório de Rodrigo

O Cais do Sodré não é!... só bares de prostitutas
Também é gente a alombar caixas de peixe e de frutas
Não é só a mão que passa a candonga do Japão
Também é cais onde embarca quem busca no mar o pão

Ai Cais do Sodré... ai Cais do Sodré
Mais vale parecer... que ser o que é
Ai Cais do Sodré... ai Cais do Sodré
Nem todo o sapato... te serve no pé

O Cais do Sodré não é!... só rusga que vai e vem
Também é gente que mora num lar que há muito ali tem
Gente com filhos, mulher e a renda da casa em dia
Gente que apenas trabalha e no trabalho confia

O Cais do Sodré, não é!... só refúgio de falsários
Também são altos guindastes movidos pelos operários
Não é só a mão que passa a candonga do Japão
Também é cais onde embarca quem busca no mar, o pão

O Cais do Sodré... não é!