- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cais do Sodré

Paco Bandeira / Eduardo Olímpio
Repertório de Rodrigo

O Cais do Sodré não é!... só bares de prostitutas
Também é gente a alombar caixas de peixe e de frutas
Não é só a mão que passa a candonga do Japão
Também é cais onde embarca quem busca no mar o pão

Ai Cais do Sodré... ai Cais do Sodré
Mais vale parecer... que ser o que é
Ai Cais do Sodré... ai Cais do Sodré
Nem todo o sapato... te serve no pé

O Cais do Sodré não é!... só rusga que vai e vem
Também é gente que mora num lar que há muito ali tem
Gente com filhos, mulher e a renda da casa em dia
Gente que apenas trabalha e no trabalho confia

O Cais do Sodré, não é!... só refúgio de falsários
Também são altos guindastes movidos pelos operários
Não é só a mão que passa a candonga do Japão
Também é cais onde embarca quem busca no mar, o pão

O Cais do Sodré... não é!