As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Perdi-me nos olhos teus

Heldér Moutinho / Popular *fado mouraria*
Repertório de Heldér Moutinho

Perdi-me nos olhos teus
Como quem perde a razão
Quando dissemos adeus
Perdi o meu coração

Cai a noite e o luar / Revela-nos uma saudade
Como se toda a verdade / Descobrisse o nosso olhar;
Se não sabemos sonhar / P’ra poder dizer adeus
Não há segredos nos céus / Nem sequer um vento agreste;
Por todo o amor que me deste /
Perdi-me nos olhos teus

Depois vem a solidão / Abraçar-me lentamente
Que por minha condição / Me afasta de toda a gente;
É que a minha voz não mente / Quando canta o coração
E por isso, desde então / Quis ficar só por momentos;
Nos meus próprios pensamentos /
Como quem perde a razão

Se era dia, escureceu / Fez-se noite e uma tristeza
Ficou na minh’alma presa / Quando o nosso amor morreu;
Depois, quando amanheceu / Fui pedir por mim a Deus
Que o brilho dos olhos meus / Não se perdesse, no entanto;
Perdemos todo o encanto / Quando dissemos adeus

Ainda ficamos á espera / Que o nosso outono morresse
E que o inverno merecesse / Uma nova primavera;
Não era tarde, não era / Era a nossa condição
Pela qual uma razão / Se perde num desalento;
Por isso nesse momento / Perdi o meu coração