- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado mulato

Tiago Torres da Silva / Zeca Baleiro
Repertório de Maria João Quadros


Uma jangada perdida / Chega a um porto qualquer
Vem quebrada, vem sumida / Traz a fome adormecida
No ventre duma mulher

Ouvem-se ao longe tambores / Há uma lua que brilha
Bebendo a seiva das flores / A mulher morre de amores
Pela voz daquela ilha

Fado mulato... fado que ao nascer do dia
Traz o perfume do mato... agarrado á melodia
Fado que embala... um sono que sem aviso
Descobre a voz da sanzala... no sonho do seu sorriso

Aquela mulher perdida / Encontra um homem qualquer
E ao dar-lhe a sua vida / Ela fica mais perdida
Não lhe dando o que ele quer

Ao longe o vento que passa / Não sabe dar testemunho
De ver nascer uma raça / Onde Dezembro se enlaça
Ás tardes calmas de Junho

Mais uma bala perdida / Trespassa um corpo qualquer
E há uma pátria que vencida / Tenta estancar a ferida
Com o que a terra lhe der

A terra dá-lhe suspiros / E a terra dá-lhe canções
Vazam-se as noites com tiros / Rasgam-se as almas com vírus
Que matam mais que canhões

Uma guitarra perdida / Dedilha um fado qualquer
Levanta a voz destemida / E diz que por estar vencida
Não deixou de ser mulher

Se alguém souber, que me explique / Como é que um perfume chora
Mas mesmo que aqui não fique / Hei-de levar Moçambique
Pela minha vida fora