- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Poentes outonais

José Amaro / Jaime Santos 
Repertório de José Manuel Castro
- - - 
Este tema foi gravado por Alice Maria com o título *Caem folhas p'la cidade* com a autoria atribuída a José Amaro

Vens falar-me neste Outono / No calor do Verão passado
Acordar-me em pleno sono / De um amor desencontrado

Se ainda te amo, perguntas / Se ainda te quero, queres saber
Somos duas sombras juntas / Dia enevoado, entardecer

Nosso fado foi desgosto 
Sol já posto em tom vermelho
Somos corpos sem ter rosto
Lado oposto doutro espelho
Caem folhas p'la cidade
São poentes outonais
Como é livida a saudade
Meu amor, não chores mais

Somos tática viagem / Sem regresso, sem sentido
No amor não há paragem / E o regresso é proibido

Gestos languidos, doridos / Sob a luz crepuscular
Noite calma dos sentidos / Não me venhas recordar