- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zangou-se o fado comigo

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Manuel Fernandes

Bati à porta do fado / Eu sei onde o fado mora
Olhou-me desconfiado / Por me ver àquela hora

E fez tamanha algazarra / Gritou-me sem ter razão
Disse que a minha guitarra / Nem merece afinação

Zangou-se o fado comigo
Vá lá, não foi ordinário
Senão pegava o rastilho
E então o sarilho
Virava ao contrário
Ouvi-o tão pianinho
Na voz tinha tais lamentos
Que eu disse do coração
Aí seu pimpão
Marque lá dois tentos

Agora ao fado, o que resta / Se não lhe arranjam um prémio
É ter de dar uma festa / P’ra deixar de ser boémio

Não se lembra, o malfadado / Que andou nas tascas mais rascas
E no tempo em que era fado / Jogava o liques nas tascas