- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se o mundo dá tantas voltas

Linhares Barbosa / Alfredo Duarte *fado menor-versículo*
Repertório de Manuel de Almeida


Se o mundo dá tantas voltas... em redor
Das estrelas, dos espaços... encobertos
Não sei porque não te soltas... meu amor
E vens caír nos meus braços... sempre abertos

Tu és assim como o vento... na nortada
Com as mesmas inconstâncias... esquisitas
Tenho-te ao pé um momento... um quase nada
Depois vejo-te a distâncias... infinitas

És mais leve que a poeira... que há no ar
És mais fina que a poalha... em remoinho
Que poisa sobre a roseira... prá manchar
E depois o vento espalha... p’lo caminho

Que não te prendes rendida... é tua norma
Dizes e fico a pensar... ao ver-te ausente
Que andando assim desprendida... dessa forma
Eu te não possa agarrar... eternamente