- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Palmatória de prata

Manuel Andrade / Joaquim Campos *fado amora
Repertório de Manuel João Ferreira

Junto à cama, pobre dela
Tapada a chita barata
Tremula sempre uma vela
Na palmatória de prata

A palmatória guardada / Em testemunho de amor
É ricamente lavrada / Com requinte e a primor

Certo conde, seu amante / Um dia lha ofereceu
E depois, partiu distante / E nessa noite morreu

Essa mulher, pobre dela / Que de saudade padece
Acende sempre uma vela / De cada vez que anoitece

Por isso, no quarto dela / Entre a mobília barata
Tremula sempre uma vela / Na palmatória de prata