- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Palmatória de prata

Manuel Andrade / Joaquim Campos *fado amora
Repertório de Manuel João Ferreira

Junto à cama, pobre dela
Tapada a chita barata
Tremula sempre uma vela
Na palmatória de prata

A palmatória guardada / Em testemunho de amor
É ricamente lavrada / Com requinte e a primor

Certo conde, seu amante / Um dia lha ofereceu
E depois, partiu distante / E nessa noite morreu

Essa mulher, pobre dela / Que de saudade padece
Acende sempre uma vela / De cada vez que anoitece

Por isso, no quarto dela / Entre a mobília barata
Tremula sempre uma vela / Na palmatória de prata