- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.695 LETRAS PUBLICADAS <> 2.679.000 VISITAS < > 01 FEVEREIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa não tem juízo

Mário Raínho / Casal Ribeiro
Repertório de Alice Pires

Lisboa, que tão apaixonada anda
Sacudiu os ombros logo ao despertar
Depois, abriu a varanda
Bordada de pombos e começou a sonhar

Vestiu o vestido mais belo
E como é costume, suspirou mais alto
Catrapiscou o Castelo
Pra fazer ciúme ao seu Bairro Alto 


Se os outros bairros magoa 
Pouco se importa Lisboa

Ela
Foi sempre assim, a vida inteira
Namoradeira, namoradeira
E quando anda de amores nem sequer nota
Que é uma gaivota, que é uma gaivota
À noite vai ao fado e à Revista
Porque é fadista, porque é fadista
Dança nas discotecas de improviso
Esta Lisboa, não tem juízo


Lisboa, que à noite ninguém segura
Quando acelerada, mete-se ao barulho
Navega, na onda loucura
Toda ritmada da 24 de Julho

Depois, quando é quase manhã
Ao romper do dia, ainda acordada
Promete voltar amanhã
A essa magia que há na madrugada 


Ela diz: doa a quem doa
Eu sou assim sou Lisboa