- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desilusão *Fr Maria*

Amadeu do Vale / Tavares Belo
Repertório de Fernanda Maria

Paciência, não deploro / O quanto sou desgraçada
Piedade não importa
Que da desdita que eu choro / Sou a única culpada

Para nosso desatino / O destino é uma desculpa
Não me digam que eu já sei
Mas não culpem o destino / Que o destino não tem culpa
Do mal que eu própria busquei

Não lhe bastava 
O desprezo que me dava
As horas de sofrimento que me fazia passar
Para o desgosto
Vincar mais fundo em meu rosto
Deu-me mais este tormento de por outra me trocar

No abismo em que eu caía / Não o via à minha frente
Porque o meu olhar só via
O homem que me dizia / Gostar de mim loucamente

Foi mais uma ingratidão / Mais uma desilusão
Que me veio bater à porta
P'ra quem está desiludida / De ser feliz nesta vida
Um homem mais, pouco importa