- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.603.800 VISITAS < > OUTUBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Neste rio vou morrer

António Fontes / Alfredo Duarte
Repertório de Carlos Zel

Águas do rio, paradas
No eu peito tão cansado
Espelho das madrugadas
Onde eu vejo o meu passado

Quis fazer uma viagem / Numa onda que desmaia
Mas fiquei ali na margem / Abandonado na praia

Horas paradas no tempo / Do meu viver tão errante
E neste meu desalento / Vejo-te em sonho distante

Ancorei minha fragta / Nesse rio tão esquecido
Mas a saudade me mata / Por não poder ter partido

Desde manhã ao sol-pôr / Sem ti não sei que fazer
Se tu não vens, meu amor / Neste rio vou morrer