- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A cada passo

Letra e música de Artur Ribeiro
Repertório de Tristão da Silva


Acabou a nossa vida 
Eu saí do teu caminho
Desde então não há guarida
P'ra ninguém no meu carinho

Em dois mundos separados 
A sete chaves fechados
Nós ficamos desde então
Mas por mal dos meus pecados
Não fechei meu coração

A cada passo
Nos passos que dou na rua
Julgo ver a sombra tua 
A chorar pela cidade
A cada passo
No meu errar desvairado
Lá surges tu no meu fado 
A provocar a saudade

Cada vez que a noite morre / Cada vez que o Sol é posto
Quanto mais tempo decorre / Cresce mais o meu desgosto

No meu quarto de ti cheio / Na loucura deste anseio 
Já rasguei o teu retrato / Tudo fiz mas não há meio 
De te pôr fora do quarto