- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A cada passo

Letra e música de Artur Ribeiro
Repertório de Tristão da Silva


Acabou a nossa vida 
Eu saí do teu caminho
Desde então não há guarida
P'ra ninguém no meu carinho

Em dois mundos separados 
A sete chaves fechados
Nós ficamos desde então
Mas por mal dos meus pecados
Não fechei meu coração

A cada passo
Nos passos que dou na rua
Julgo ver a sombra tua 
A chorar pela cidade
A cada passo
No meu errar desvairado
Lá surges tu no meu fado 
A provocar a saudade

Cada vez que a noite morre / Cada vez que o Sol é posto
Quanto mais tempo decorre / Cresce mais o meu desgosto

No meu quarto de ti cheio / Na loucura deste anseio 
Já rasguei o teu retrato / Tudo fiz mas não há meio 
De te pôr fora do quarto